CASO DELÍCIAS VEG: queijo de origem animal em produto vegano?

Uma denúncia feita pelo canal do Infoativista e Youtuber Fabio Chaves acusou a empresa catarinense Delícias Veg de vender quibes veganos com queijo de origem animal. Os donos da Delícias Veg concederam entrevista ao Fato&Versão para contar essa história e como ela mudou a forma da empresa fabricar e vender seus produtos.

Em janeiro deste ano, muitos grupos veganos nas redes sociais começaram rumores de que o queijo utilizado nos produtos da marca Delícias Veg não era vegetal. Por iniciativa da própria empresa, foi solicitado um laudo do produto em Florianópolis, no laboratório Aquavita. Os proprietários se reuniram com a equipe que produzia as refeições para entender o que estava acontecendo. O laudo mostrou que não havia resquícios de óleos e gorduras animais. Até que, no dia 09 de junho, o canal do Youtuber Fabio Chaves comentou sobre o assunto e o caso tomou proporções maiores.

A partir dali começou um boicote da marca, que levou um dos proprietários Guilherme Capela a aparecer em vídeo esclarecendo a situação. 

Em todos os pronunciamentos a empresa pedia aos clientes que fizessem laudos e enviassem a eles, mostrando que estavam abertos à investigação e garantindo que o produto era de origem vegetal.

No dia 10 de junho, um vídeo publicado no mesmo canal revelava informações importantes sobre a investigação, que estava sendo feita no mesmo produtos da empresa Delícias Veg. No vídeo, Fabio mostra um laudo enviado por um morador de São José, que por conta própria resolveu solicitar a análise do produto em laboratório. O resultado foi o mesmo, negativo para óleos e gorduras animais. Porém a dúvida sobre a elasticidade do queijo permaneceu e os proprietários da empresa se prontificaram a fazer um laudo das proteínas do produto. Assim identificariam se o quibe era livre de caseína (proteína encontrada no leite) ou não.

Em agosto, Fabio retornou ao seu canal com o resultado do laudo do produto e lá estava comprovada a presença de caseína no recheio. Imediatamente as redes sociais da empresa foram bombardeadas de ameaças e comentários, fazendo com que optassem pela pausa na produção.

“O tribunal da internet nos julgou e nos executou”.

A empresa agora volta com uma fábrica própria, onde a família que é dona da receita, vai continuar fabricando o queijo só que em instalações exclusivas para produtos veganos. A contaminação e a denúncia resultaram numa reestruturação da empresa e no aumento da qualidade do produto. Na última semana, os donos da Delícias Veg, Guilherme Capela e Guilherme Pereira, aceitaram receber o Fato&Versão em sua sede e contaram a história.

Como vocês receberam a informação de que estavam sendo investigados?

Em janeiro houve o primeiro questionamento sobre o nosso produto, então chegamos até nosso fornecedor e falamos que as pessoas estavam querendo saber mais sobre o queijo que era utilizado no quibe. Solicitamos um laudo e o resultado mostrou que não havia gorduras ou óleos de origem animal. Com o laudo em mãos, continuamos a produção, até que em junho recebemos o primeiro vídeo do Fabio Chaves. Imediatamente, fui até as redes sociais, coloquei meu rosto, contei toda a situação, explicamos nossos valores, nossa história, nos prontificamos a todos os testes necessários. Porém, um mês depois, saiu o vídeo com resultado dos laudos, comprovando uma grande quantidade de caseína dentro do produto. No mesmo momento recebemos aquilo com muita surpresa e junto de todo esse problema, os inúmeros comentários contra a marca. Em respeito a tudo o que pregamos desde a abertura da marca, nos posicionamos e pausamos tudo. 

O que aconteceu na produção dos alimentos? 

Nós chamamos os responsáveis pela produção para entender o que ocorreu. E durante a conversa eles, contaram que usavam a mesma máquina para produzir todas as linhas de produtos, tanto os veganos da nossa empresa, quanto os de origem animal para outras. Com a alta demanda, as máquinas não paravam, não tinha um tempo para abrir e higienizar. Então houve uma contaminação muito grave. Por ser uma cozinha de família, não tinha o registro de quantos lotes foram contaminados. Nós paramos toda a produção e fomos em busca de soluções.

Do tempo em que vocês receberam a informação, quanto tempo vocês demoraram para explicar a situação aos clientes? Quais medidas foram tomadas?

Desde a semana do último vídeo, fizemos os comunicados, identificamos o erro e fomos em busca de soluções. Paramos toda a produção e distribuição. O mais importante agora não é a perda de faturamento, é reverter a imagem ruim que criaram de nós. A nossa marca foi muito atacada, tanto nossos perfis pessoais, quanto o perfil da empresa. Foram inúmeras ameaças e ofensas. O tribunal da internet nos julgou e nos executou, todos seguimos uma dieta vegana. Nós consumimos os produtos. Por isso nós pausamos a comercialização e nesse tempo que ficamos introspectivos foi para cuidar da nossa casa. Chamamos uma empresa de qualidade sanitária para que ela nos falasse o que era necessário ter na cozinha nova.

Apresentamos uma nova proposta, encontramos um novo local para fabricação única e exclusiva de produtos veganos, estamos em contato direto com conselhos de nutrição, vamos seguir a risca todos os requisitos, com todos os alvarás para voltar a funcionar.

Fonte: Delícias Veg

Por que optar por continuar com a mesma empresa que usou caseína no produto?

A receita do queijo vegano é deles, sempre foi seguido da forma correta. O problema foi utilizar a mesma máquina para produção. Então vamos continuar com a família e a mesma receita mas alterando toda a estrutura e o local da fábrica. O espaço será só para produtos de origem vegetal.

Vocês se sentem injustiçados?

A gente está há três semanas trabalhando muito para resolver o problema que ocorreu. Nós seguimos a filosofia vegana e queremos continuar levando produtos de qualidade. Ouvimos as duras críticas, entendemos o que aconteceu. A marca surgiu com o propósito de mudança de hábitos alimentares, desde que o pai do “Gui” (Guilherme Pereira, um dos proprietários) foi diagnosticado com câncer e virou vegano. Tudo começou com pequenas marmitas que a mãe dele fazia e com a alta demanda que fez o crescimento da produção e consequentemente da estrutura. 

Nós aprendemos muito com o que aconteceu. A ideia desse negócio não é fazer muito dinheiro e enganar pessoas. Estamos promovendo saúde. foi uma ideia despretensiosa que cresceu. Começamos em maio do ano passado e nos transformamos numa marca forte.

Nós entendemos que o veganismo não é só sobre alimentação, engloba muitos hábitos. A filosofia é muito maior e estamos em constante aprendizado. Nossos amigos, que são ativistas, nos alertaram sobre consumo consciente, sobre estudos e sobre toda a causa em torno disso.

Agora a gente volta com muita luta, vamos fazer tudo o que for necessário e dentro do nosso controle. Estou feliz de poder dar esta entrevista e dizer que temos uma solução.

A equipe Fato&Versão tentou entrar em contato com o Youtuber Fabio Chaves, mas não obteve respostas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s